Home Política Lula busca Centrão para ampliar base e aprovar propostas

Lula busca Centrão para ampliar base e aprovar propostas

8206
0
Brasilia- DF- Brasil- 18/12/2014- O ex-presidente da Republica Luiz Inacio Lula da Silva participa da solenidade comemorativa dos 10 anos da reforma do Judiciario (Jose Cruz/Agencia Brasil) (Brasilia- DF- Brasil- 18/12/2014- O ex-presidente da

Desde que sofreu sucessivas derrotas no primeiro semestre no Congresso Nacional, principalmente na Câmara dos Deputados, o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem buscado algumas medidas para melhorar a articulação política.

Entre essas medidas, estão mudanças em cargos de comando e de segundo escalão nos ministérios, para tentar incorporar partidos à base aliada.

O ministro da Casa Civil, Rui Costa disse  Andréia Sadi que o governo Lula quer incluir PP e Republicanos na base nos próximos 10 dias.

A medida é necessária porque – pelos cálculos do presidente da Câmara, Arthur Lira(PPAL) – a atual base do Palácio do Planalto é de cerca de 130 deputados entre os 513 parlamentares.

Veja nesta reportagem oito perguntas e respostas sobre a relação do governo com o Congresso e por que Lula busca apoio de partidos do Centrão.

Quais são os partidos da base aliada e quantos deputados têm?

É possível dizer que a base do governo Lula é formada por sete partidos. São eles:

  • PT: 68
  • PDT: 18
  • PSB: 15
  • PSOL: 13
  • PCdoB: 7
  • PV: 6

Se somadas todas as bancadas acima, o governo Lula conta com 128 deputados na base aliada.

O governo precisa de quantos votos para aprovar projetos?

Os projetos em tramitação na Câmara exigem números diferentes de votos para serem aprovados.

Por exemplo, são necessários:

  • 257 votos para se aprovar projetos de lei complementar – como é o caso do novo arcabouço fiscal
  • 308 votos para se aprovar propostas de emenda à Constituição – como é o caso da reforma tributária

De quantos votos de partidos que não são oficialmente da base o governo precisa?

Nessa conta, o governo precisa buscar o apoio de:

  • cerca de 130 votos para aprovar projetos de lei complementar
  • cerca de 180 votos para aprovar PECs

PP e Republicanos somam quantos deputados?

As duas bancadas somam atualmente 90 deputados em exercício. O PP conta com 49 deputados. Já o Republicanos tem 41.

Esses partidos apoiaram o governo Bolsonaro?

Sim. O presidente do PP, por exemplo, senador Ciro Nogueira (PI), foi ministro da Casa Civil de Bolsonaro.

O Republicanos, por sua vez, abriga ex-ministros de Bolsonaro, como o atual governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas, e a senadora Damares Alves (DF), além do ex-vice-presidente da República Hamilton Mourão, atualmente senador pelo Rio Grande do Sul.

Por que são chamados de partidos do Centrão?

O termo Centrão é usado para identificar aqueles partidos que costumam apoiar os governantes do momento, independentemente do espectro político do qual fazem parte.

O PP, por exemplo, chegou a integrar a base de Dilma Rousseff, mas, depois, apoiou o impeachment da petista. A sigla também teve ministério no governo Bolsonaro e agora pode ter integrantes no governo Lula.

O Republicanos tem atuação semelhante. A legenda teve ministério nos governos Dilma, Michel Temer, Bolsonaro e, agora, pode indicar nomes ao presidente Lula.

O PSD é outro exemplo de partido do Centrão. Foi da base de Dilma, apoiou o impeachment, teve integrantes do governo Bolsonaro e já tem integrantes do governo Lula.

O que Lula dizia na campanha sobre o “Centrão”?

Ainda na campanha eleitoral, na condição de candidato a presidente, Lula já afirmava que, se eleito, não negociaria em bloco com o Centrão, mas conversaria com os partidos do grupo.

Lula também costumava pedir voto para seus aliados políticos que disputaram vagas na Câmara e no Senado, afirmando que teria de governar com o Congresso eleito pela população.

Qual o discurso no governo agora?

Em junho deste ano, ao discursar em um evento no ABC paulista, Lula afirmou que não conseguirá “recuperar o país” sozinhoe que é importante que os apoiadores saibam qual é a correlação de forças no Congresso Nacional.

“É preciso que vocês saibam o esforço que é para governar. É importante que vocês saibam que não é só ganhar uma eleição. Você ganha uma eleição e, depois, você precisa passar o tempo inteiro conversando para ver se você consegue aprovar alguma coisa. […] Você tem que conversar com quem não gosta da gente. Você tem que conversar com quem não votou na gente”, disse o presidente na ocasião.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here